segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Trair or not trair?

Outro dia estava conversando com um amigo e ele me perguntou se eu traio. Isso já foi assunto neste blog e volto a dizer que esta não é uma resposta fácil de se dar. Porque traição pra mim é algo relativo.

Já estive num namoro aberto e já estive em outras relações com menos abertura. E, em cada caso, havia um limite diferente do que era considerado traição. Assim, como fazer quem está de fora compreender uma dinâmica própria e que diz respeito apenas aos envolvidos? Meu impulso foi responder a esse meu amigo um sonoro "não te interessa", mas achei que um "não" me pouparia uma discussão que o tempo não permitiria ter com a qualidade que eu gostaria e não passaria uma agressividade que não havia.

Certa vez, uma grande amiga minha (que está distante por um motivo e outro, mas não é menos amada por isso) me mandou um texto da Marta Medeiros que diz que muitos relacionamentos se baseiam num modelo que ela chama de "brincar de caverninha", dada a forma pré-histórica como são construídos (na visão da autora). Minha amiga se queixava de não conseguir ser "moderna" e eu respondi que ela não tem essa obrigação.

Nunca pensei que os limites da traição são estabelecidos conforme a "modernidade" dos envolvidos, mas sim conforme o que menos agride cada parte. Pra mim, moderno mesmo é a manifestação do respeito, seja dentro de regras rígidas ou dentro da maior flexibilidade possível. E a rigidez ou a flexibilidade devem ser escolhidas de forma que todo mundo envolvido seja capaz de cumprir sem se sentir sacrificado por demais (para que ninguém seja mais ou menos "moderno" apenas por uma obrigação).

Relacionamentos exigem renúncias, com certeza, mas não anulação em prol do outro. Assim, o respeito se baseia em escolher a opção em que não haja nem limites amplos demais nem limites sufocantes demais para todos. Meu limite mais amplo, por exemplo, está em não me importar com sexo ou beijo com terceiros desde que a pessoa não se envolva emocionalmente. Mas como estou não estou só no meu casamento, o limite estabelecido entre eu e o Maridão não é esse.

E para você? O que é considerado traição?

34 comentários:

  1. concordo em gênero, número e grau. respeito é mais importante que fidelidade.

    ResponderExcluir
  2. Minha percepção sobre o tema vc já conhece ... já conversamos sobre isto ... "Relacionamentos exigem renúncias, com certeza, mas não anulação em prol do outro. Assim, o respeito se baseia em escolher a opção em que não haja nem limites amplos demais nem limites sufocantes demais para todos." Vc resumiu tudo muito bem neste contexto.

    Segunda Elke Maravilha traição só existe qdo é da cintura para cima ... da cintura para baixo tudo é possível ... acho esta tirada genial, pois casa perfeitamente com minha percepção sobre isto ...

    bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Bratz! Eu Tô com a Elke! Beijos!!

      Excluir
  3. “Meu limite mais amplo, por exemplo, está em não me importar com sexo ou beijo com terceiros desde que a pessoa não se envolva emocionalmente” (Cara Comum)

    “Concordo em gênero, número e grau. respeito é mais importante que fidelidade.” (Foxx)

    Sei, sei... vão me chamar de retrógrado, homem das cavernas... aceito todas as classificações, de verdade... sou suficientemente “aberto” pra entender todas! Agora, o que eu penso? E quero que fique claro, não vejo esse meu modo de pensar como regra de ouro pra ninguém, além de mim mesmo, enfim...

    Comigo, nem pensar!!! Sou possessivo com minhas “coisas”, que dirá com “pessoas” que eu (possa) amar!

    É um dos poucos itens que não discuto: ou é isso ou não é... sem meios termos, nuances. Quequéisso? “desde que a pessoa não se envolva emocionalmente”... “respeito é mais importante que fidelidade”... tem alguma diferença entre respeito e fidelidade?! Me poupem...

    Acho que vou seguindo, com meu “uga-uga” de sempre...

    Beijão... ótimo assunto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, cesar, eu ia dar uma resposta, mas o Junnior logo abaixo disse tudo o que eu diria. Então, faço das palavras deles as minhas palavras.

      Excluir
    2. Bom, Cesinha, eu disse que é bem por aí mesmo! Não é um texto que pretende convencer ninguém a ser menos ciumento nem mais ciumento. É um texto que fala que é preciso que se respeite a capacidade das pessoas de sentir ciúmes ou sua capacidade de não se apegar a ponto de sentir ciúmes. Se para você o "uga-uga de sempre" funciona, digo o mesmo que eu disse a minha amiga do texto: então porque forçar você a ter um limite mais amplo?

      Apesar de você não enxergar diferença entre respeito e fidelidade, eu consigo diferenciar uma coisa da outra. Pois pode haver fidelidade sem respeito ( o contrário é que acho impossível pois uma infidelidade em geral se traduz como uma falta de respeito ao outro).

      Abraços!!

      Excluir
  4. Traição pra mim é pre-estabelecer 'regras' conjuntas e mútuas e alguém descumpri-las sem a anuência do(s) outro(s).
    No relacionamento amoroso, algumas dessas 'regras', talvez a maioria, estão implícitas porque advêm de um comportamento universal, ou seja, esperamos que o outro as cumpra sem necessariamente verbalizá-las.
    Se um dos pretensos namorados não se convence delas (não faz o estilo convencional), aí , sim, deverá deixar isso bem claro. Caberá ao outro concordar [ou não]. Se ambos firmarem compromisso e acontecer a traição, não haverá "quebra de contrato" (rsrs).
    Os costumes e as regras guiam o homem em sociedade [os primeiros originam os segundos], então quem não se adéqua aos costumes que se mostre; que se diga; que não esconda.
    Por fim, essa coisa de dizer que sentimentos não se misturam com regras e vice-versa, pra mim, é balela. O ódio e o amor, como sabemos, estão ali, lado a lado. Ninguém espera levar um tiro e/ou, muito menos, morrer porque traiu.
    A transparência é o segredo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ia dizer que concordo com tudo que vc escreveu, até que cheguei numa parte que não entendi direito: "Se ambos firmarem compromisso e acontecer a traição, não haverá "quebra de contrato" (rsrs).". No popular seria: "Chifre trocado não dói"??? Huhauhaua

      Se for, eu já discordo porque não acho que desrespeito justifica desrespeito.

      E só para deixar bem claro: concordo com vc sobre sentimento e regras se misturarem e creio que não afirmei o contrário nesse meu texto, ok?

      Abraços!!

      Excluir
  5. Traição é quando se quebra a confiança do outro em vc!
    Sou meio leigo pra falar sobre isso.
    Só tive relações monogâmicas.
    Mas acho que se há um consenso sobre até que ponto aquela relação pode ser bacana para ambas as partes, então não há traição. Tudo foi acordado antes.
    Mas no momento que um ultrapassa o limite estabelecido, aí complica!
    Eu não sei, mas acho essa história de relação aberta, de poligamia muito estranha.
    Porque eu me envolvo demais com a pessoa.
    E imagina o outro se envolvendo com um terceiro, mesmo que casual.
    Curto não! =|

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Traição é quando se quebra a confiança do outro em vc!" -> Você definiu numa frase o que eu penso. Não acho vc meio leigo para falar o assunto porque só viveu relações monogâmicas. Ao contrário: concordamos no ponto em que você diz que é preciso respeitar o limite pré-estabelecido seja ele qual for...

      Abraços!!

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Acho que traição é quando traímos nossos próprios princípios, enfim, o que achamos correto nessa vida. Eu achava que nunca trairia, mas já aconteceu. Me senti muito mal. Acho que se acontecesse de novo e eu ficasse indiferente, iria repensar minha relação e meus princípios. E cada um com seu cada um. Isso não é receita de bolo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, eu até concordaria com sua definição, mas ela fala de indivíduos isolados e ignora o principal: estamos falando de uma relação. Como pode ser o caso de cada um ter princípios distintos, para a mesma relação teríamos dois limites do que é traição e isso tornaria tudo mais confuso e com tendência ao desentendimento. Mas concordo contigo que o cara que trai e fica indiferente com isso age com uma certa má fé.

      Realmente, não há receita de bolo!

      Abraços!!

      Excluir
  8. Eu to com o Junior... Traição é tudo aquilo que quebra o contrato pré-estabelecido pelo casal e a verdade é que esse contrato sempre existe... Ele existe em toda e quaisquer relação de qq natureza... A diferença é que as vezes ele é verbalizado, as vezes não!!!!

    Tb morro de preguiça de lançar esse tipo de discussão com quem eu sei não estar pronto pra isso, a menos qdo tenho interesse diretamente,como é o caso lá de casa... hauahau

    A verdade é que as pessoas vivem sob regras sem pensar a cerca delas e no fim da historia nem elas mesmas suportam ficando nessas relações esquizofrênicas cheias de inseguranças, prazer, culpa, magoas etc etc etc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está aí o Gato Van de Kamp escrevendo tudo o que eu queria dizer em poucas linhas!! Ahaza!! rs

      Excluir
  9. Fidelidade é qualidade que só combina com cachorro.
    Deus me livre de um homem - bovinamente - fiel.

    E relaxa sobre você "como sempre, passar" a brincadeira proposta pelo TPM... isso já é via de regra.
    Espantoso mesmo seria prestigiar o convite/iniciativa, nzé?

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred, há quem aprecie os bois e os cães...

      Sobre eu passar a brincadeira de quis do TPM, é bom saber que os amigos já me conhecem, né??? rs

      Abraços!!

      Excluir
  10. Nada é perfeito nesse mundo dos homens que amam outros homens, mas ser sensível a sensibilidade do outro é o que , para mim , é um dos conceitos de FIDELIDADE!
    Acredito que ninguém, mas nínguém , mesmo gosta de escutar o outro falar sobre o que "comeu depois do jantar", mesmo com consentimento!
    Para isso é preciso um nível de maturidade que somente o tempo pode dar e uma relação duradoura junto.
    Ps- Cadê a foto de rosto? O Facebook conhece, porque nós, pobres mortais vamos ser privados da Cara do Cara Comum???

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cores da Crise de Meia Idade! Sensibilidade é a palavra! Só não quis dizer que minha experiência é universal que nisto eu estou longe de ser comum...

      Abraços!!

      Excluir
  11. Acho que pra uma relação ser bem sucedida, dois itens precisam ser executados, 1. Terminar um conversa;
    2. Ceder.
    Quando a pessoa tá apaixonada, ela não consegue sentir atraida por outro, só se o amor tiver acabado. Eu não conseguiria trair.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre os dois itens que vc falou (terminar uma conversa e ceder), quando eles não existem, não existe relação, na minha opinião.

      Bom, eu vejo muita diferença entre estar apaixonado e sentir amor. E vejo também muita diferença entre se sentir atraído por outro e trair. Como seu comentário foi curtinho, eu não consegui entender a lógica por trás do seu pensamento...

      Abraços!!

      Excluir
  12. concordo 100% com vc e com a maioria dos comentários..

    Aindao discordo do Fred (ao menos tento), espero conseguir ter uma relação monogamica com outro homem, espero muito e mais que isso, que ela dure "para sempre".

    E em um relacionamento é preciso ceder sim, mas acho que uma coisa importante que ninguém deve se esquecer é que existe um ponto certo para ceder... ninguém merece, por mais apaixonado que esteja ceder tanto para viver em dúvida ou triste uma relação, as vezes é melhor sair fora mesmo apaixonado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Otávio, perfeito!!! Exatamente o que eu penso!

      Abraços!!

      Excluir
  13. Sou do contra neste aspecto, não aceito traição, acho que se há a traição, não tem porque manter uma relação. Se eu traio é porque falta algo em minha relação...
    Sou conservador...rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só: não acho vc "do contra" por ser conservador, já que no próprio post eu defendi o direito da pessoa ser conservadora também...

      Sobre trair porque falta algo na relação também não acho que é por aí. Afinal, quem tem a pretensão de satisfazer 100% o outro numa relação?? Somos seres insaciáveis. Se temos comida, queremos uma comida melhor. Se temos uma casa simples, queremos uma casa melhor. Mas se temos o melhor carro, queremos ter outros veículos de transporte. Se temos o quadro mais bonito, queremos mais obras daquele pintor.

      Por isso, não dá pra jogar no outro a responsabilidade de nos completar, sob pena dele receber em troca uma traição caso ele não consiga cumprir essa missão literalmente impossível.

      Traição, para mim, tem mais a ver com manter um compromisso assumido (ou seja, tem a ver com caráter) que propriamente estar faltando algo ou não para a pessoa.

      Abraços!!

      Excluir
  14. E eu estou com todo mundo que tem a visão do relacionamento do tipo contrato. Nem tenho mais o que acrescentar na discussão.

    Beijo Doido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até que eu imaginava que vc fosse responder algo assim, Lobo??

      Beijos, doido!

      Excluir
  15. Oie. Descobri seu blog ha pouco tempo e tenho gostado muito.
    Eu tenho muitas coisas pra falar sobre esse assunto. Mas vou dizer apenas três:
    Primeira: Vejo que cobrar fidelidade do outro tem muito a ver com a cobrança em relação a nós mesmos. Pessoas que se vigiam muito, que não se permitem um olhar, uma paquera por mais inocente que seja, geralmente são as que mais cobram ferozmente fidelidade do parceiro. À medida que se afrouxa o laço da propria fidelidade, a gente afrouxa o do parceiro tb.

    Segunda: É difícil estabelecer um padrão para qualquer tempo de relacionamento. Ja tive muitos relacionamentos de poucos meses, e nesses casos, a paixão ainda é muito grande e a gente não tem olhos pra mais nada e trair nem é algo que se cogita. Mas e num relacionamento de 5 anos, 10 anos, 20 anos? É dificil em nenhum momento você não pensar nas infinitas possibilidades que você abre mão em função daquele relacionamento.

    Terceira: Pelo menos aqui na minha cidade, pelo menos pelas coisas que eu vivi nos meus 4 ultimos relacionamentos, os caras só se arrependem de trair quando são pegos. Pra mim, o ato de trair passou a ser sinônimo do ato de tomar conhecimento da traição. Inclusive no relacionamento que estou, já rolou traição da parte dele. E eu só fiquei sabendo pq ele me traiu com um conhecido , que depois veio me contar. E ele estava absolutamente normal, mas quando eu disse a ele que tinha ficado sabendo do que tinha acontecido, ele ficou mal, com vergonha. Pra mim nessa hora é que aconteceu o processo de traição na cabeça dele. Antes, era apenas uma coisa corriqueira e comum como tomar um café na padaria, ao invez de tomar café em casa.

    Bjos e obrigado pelos ótimos textos.

    Bom restim de semana !!!!

    Robson / SJCampos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Robson, seja bem-vindo, rapaz! Chegou na hora em que o cachorro estava solto, mas botou moral na parada! Hehehehe

      Eu concordo e entendo suas duas primeiras colocações. Eu observo o mesmo. Mas a terceira eu não sei não. Tem um amigo que citei aqui no blog (o Bat-Amigo) que já traiu e se arrependeu amargamente disso, mesmo sem ter sido descoberto. Não sei qual das duas observações é mais regular. Podíamos fazer um pesquisa aqui pra saber, né???

      Abraços!!

      Excluir
  16. eu acho que você tem que ser fiel a você mesmo. traição é você não ser fiel ao que você está sentindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Railer, minha resposta a vc será semelhante ao que eu respondi para o Raphael Martins, porque o conteúdo foi semelhante:

      Bom, eu até concordaria com sua definição, mas ela fala de indivíduos isolados e ignora o principal: estamos falando de uma relação. Como pode ser o caso de cada um ter sentimentos distintos, para a mesma relação teríamos dois limites do que é traição e isso tornaria tudo mais confuso e com tendência ao desentendimento.

      Abraços!!

      Excluir

Related Posts with Thumbnails