segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Se livrando do "lixo mental"


Fazia uns dois meses que eu não ia a casa dos meus pais. E fazia muito tempo que eu não ficava tão à vontade lá. O tempo e as mudanças da vida podem curar as cicatrizes? Eu sempre quis acreditar que sim...

Conversando, por exemplo, com meu irmão pude percebê-lo mais maduro e mais responsável. Me surpreendi com seus pensamentos e confesso que me bateu até uma vontade de conversar mais com ele e... Opa, espera aí!! Não, muito obrigado!!

Aprendi a duras penas que meu irmão é como um cactos. Pode ser de uma beleza exótica conviver com ele dentro de casa, mas provavelmente você vai dedicar atenção para cuidar dele, ele não vai te dar muita coisa em troca e, se você se aproximar muito dele, corre o risco de se machucar. Para evitar atritos, cultivo com ele apenas uma relação superficial.

Enfim, eu precisei de usar o computador e pedi autorização dele que agora é o "dono oficial" do computador que eu comprei... Pra completar a ironia, me surpreendi com o que vi no histórico da internet: havia o registro do site GayTube! Como assim, Brasil???

Num passado distante, eu morria de medo do meu irmão ser gay ou bissexual!!! E já morri de medo do meu melhor amigo (o Bat-Amigo desses dois posts aqui e aqui) ser gay também! Tudo porque eu achava que, por ouvir muita gente dizer, eles poderiam "aprender a ser gays" por convivência, mesmo sem saber. Bobagens aniquiladas tempos depois pelo esclarecimento, ainda sim desejava muito que meu irmão fosse hetero. Afinal, na cabeça pequena de meus pais, ter dois filhos gays não seria nada fácil.

Meu irmão já deu alguns sinais de que poderia ter um pé na "irmandade". Gostar de Shakira (eram só duas músicas, mas...) e de Rick Martin a ponto de baixar o clipe de "Livin' la vida loca" era uma das coisas que me deixava com a pulga atrás da orelha. Ter certos trejeitos "característicos" (poucos, é verdade, mas alguns) também me alarmava. Mas nada se compara à primeira vez que encontrei um site de pornografia gay no histórico da internet! Por isso, essa segunda vez me fez sentir aquele mesmo desespero. O gosto musical, eu bem sei disso, não teria nada a ver (porque se não, eu seria hetero, com certeza!). Os trejeitos poderia ser apenas o aprendizado inconsciente da convivência comigo (que sempre fui o irmão/ídolo/modelo dele). E o site poderia ser apenas um acesso enganado, clicando num link errado, por exemplo. Mas e essa segunda vez?? Novamente começava a pensar e... Opa, espera aí!! Recaída em velhos hábitos mentais de novo? Não, muito obrigado!!!

Por muito tempo eu rezava para que ele fosse hetero. Depois comecei acreditar que, provavelmente ele seria hetero (porque nunca percebi nenhum olhar diferente para pessoas do mesmo sexo, nunca conheci um "amigo suspeito"...). Até porque, se ele fosse gay e as namoradas fossem só um disfarce, ele não precisaria levar tão a sério a encenação ao ponto de ser "o" pegador da turma. Não precisava fazer o papel canalha de se envolver com três mulheres ao mesmo tempo. Enfim, tudo parecia indicar que ele gosta de mulher. É claro que ele poderia ser bissexual também, mas não seria muita coincidência?

Quando resolvi eliminar meu "lixo mental", cheguei a conclusão que esse tipo de preocupação era algo que não fazia sentido eu ter. A sexualidade dele era um problema dele e não meu. O impacto que meus pais teriam de perceber que têm dois filhos "diferentes do que eles sonharam" era um problema deles e não meu.

Mas agora vem isso e me faz perceber na prática que o processo de mudança de posturas mentais é algo que envolve avanços e retrocessos. Pouco importa afinal se o irmão do Leão aqui for um veado ou uma hiena. O que importa é eu me preocupar com o meu bem-estar mental. E lutar contra velhos hábitos é mesmo um exercício de paciência...

15 comentários:

  1. olha, tem uma coisa que vai te deixar mais preocupado... se ele for gay, e está tentando conter isso dentro dele, a reação mais natural é exatamente ser "o" pegador. ele pode pensar "qnto mais mulher eu pegar, menos vão perceber o qnto gay eu sou", ou ele pode utilizar isso como uma forma de compensação, no lugar de expressar os desejos gays dele, ele tenta ser o mais homem possível, o que inclui ser cafageste com as mulheres, que é assim q homem com H maiúsculo é; além disso ele pode pensar qnto mais vontade de estar com um homem ele tem, mais ele fica com mulheres para se curar...


    ajudei?

    ResponderExcluir
  2. * Foxx, nem ajudou nem atrapalhou. Eu só usei a história do meu irmão para ilustrar o processo de mudança de postura mental que envolve avanço/retrocesso o tempo todo...

    Whatever, se ele for gay ou não definitivamente esta não é uma questão minha...

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  3. Acho tão engraçado sua forma de lidar, pk é tão distante de mim que tenho até dificuldade de dar uma opinião que te seja edificadora de alguma forma.. Fikei lendo e pensando: O q falo??


    Sei lá.. Sou muito latino, acho que o sentido da vida está nos laços que fazemos e acho esquisitíssimo a necessidade de ter uma relação superficial para ser boa... Aliás, pra mim ser superficial numa relação é mais do que "não ser boa", é optar por n se relacionar pra que n seja ruim...

    Não que isso n aconteça comigo, é mais ou menos o que rola entre eu e meu pai por exemplo, mas jamais citaria a nossa relação como um exemplo de solução para um bom convívio.. Mesmo por que, não há convívio...

    E fora outros trechos.. Tipo.. Olhar com estranheza o fato de se sentir a vontade na casa dos pais e por ai vai...

    No meu modo de ver as coisas (que não é a verdade absoluta do universo)... Um problema de um irmão ou dos meus pais são deles, mas passam por mim, pk minha felicidade está diretamente ligada ao bem estar deles... Não tomo pra mim seus problemas, mas n consigo ver como se fossem completamente destacados da minha pessoa..

    Enfim, pra mim é diferente mesmo, mas tenho espirito de antropólogo e amo poder ver e entender um pouquinho de um sistema tão distante da minha realidade..

    ResponderExcluir
  4. Se isso acontecesse aqui em em casa eu chamaria de justiça divina ahauahauhaua.

    Ok, nada com divino no meio. Karma. isso, karma. Chamaria de karma. Dele, porque eu ia achar ótimo ahauahaahau

    ResponderExcluir
  5. Oopa! Tava lendo seu texto e acabei me lembrando de uma ocasião que eu queria conversar com um cara que é um irmãozão para mim e não sabia como dizer... depois de N voltas, quando finalmente eu falei.... eu também falou que curtia caras.... kkk

    Não sei, ao ler teu texto eu fiquei pensando como a gente "se perde" nos pensamentos e teorias né?! Sua preocupação é válida, você se preocupou com sua família, com teu irmão e só no fim parou para pensar em você...

    Nos últimos tempos tenho pensado que algo invés de mudanças, deveríamos "renovar atitudes"!

    Abração!!!

    ResponderExcluir
  6. Tipo assim... me apresenta ao teu irmão, me dá um dia e tiro a teima pra ti, podeserassim?!?!? Hahahaha!!! Não sei se é questão do meu cio, mas fiquei super na dele... hahahahaha! Hugz!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. * Foxx, relendo minha resposta pra vc, percebi que ela poderia ser interpretada de forma grosseira e não foi a minha intenção. Desculpa se, por um acaso, eu fui rude. Só queria deixar bem claro que a sexualidade do meu irmão não é o tema central deste post. E só pra esclarecer a situação porque eu acho que as canalhices do meu irmão não são um "disfarce": meu irmão é sim "o" pegador da turma e o cara que se envolve com três mulheres ao mesmo tempo, mas ele faz isso ESCONDIDO. A gente é que descobriu quando as três, pelo que entendi, descobriram uma da outra e foram na casa dele juntas passar a história a limpo... Desde então, os amigos dele e nós da família deixamos de o enxergar como o "tímido" e o percebemos como o "come quieto"... Assim, mesmo se fosse uma forma de compensação, seria bem interessante que as pessoas soubessem disso para afastar suspeitas, não?? Enfim, é o que eu penso. Mas, como disse, não quero desperdiçar energia mental com um problema que não é meu... Abraços!!


    * Gato Van de Kamp, entendo o que vc diz, até porque já pensei como vc e hoje vejo as coisas de forma diferente. Já achei os relacionamentos o sentido da vida e hoje sei que não são. Relacionamentos acabam mais cedo ou mais tarde. As pessoas não são indispensáveis em nossa vida. O sentido da minha vida são as histórias que vivo. O que eu aprendi com cada uma delas, as lembranças que ficam e o que elas representam pra mim. Minha história com minha família foi vivida. Tenho lembranças boas e ruins. Mas não tem mais porque eu querer insistir em tentar viver algo que é passado. Acabou. Hoje, eu só quero a boa convivência, em respeito a essa história. Boa convivência que pode ser superficial sim, que é diferente de não conviver. Não conviver seria eu nunca mais aparecer lá na casa deles. Isso eu não pretendo. Minha felicidade já foi diretamente relacionada a felicidade de quem eu gosto. Hoje em dia, sei que cada um é responsável pela própria felicidade e se os outros escolhem não serem felizes, eu não vou ficar infeliz por isso. A felicidade deles não é problema meu e eu já tenho os meus problemas a resolver... Eu até tento ajudar, mas não fico nem um pouco comovido ou tocado com questões que não são minhas.

    enfim, aprendizagem na vida explica.

    Abraços!!


    * Lobo, karma é uma boa palavra. Afinal se os dois únicos filhos de álguém são aquilo que eles lutam contra, a coisa tá meio estranha, né? Mas como o Karma não é meu, lavo as mãos...

    Abraços!!

    * Latinha, pois é. Renovando atitudes é que a gente muda! E por isso, parei de me preocupar com os outros que tenho coisa mais importante pra fazer...

    Abraços!!


    * Fred, eu sou o patinho feio da minha família ao lado do meu irmão, mas vou dizer pra vc que nem compensa... Hahaha... Mas se quiser, vai fundo e não diga que eu não avisei!!! rs.

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  8. Ola. Estive aqui dando uma olhada. Muito legal. Apareça por la. Abraços.

    ResponderExcluir
  9. * Olá, Um Brasileiro. Eu vou lá, sim! Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito do seu penúltimo parágrafo! Esse gaytube é bom?? Nunca entrei. Um abração

    ResponderExcluir
  11. * Alguém por Aí, realmente a percepção que eu relatei no penúltimo parágrafo foi libertadora para mim...

    Sobre o Gaytube, entrei pra conferir e não recomendo.; Sei lá muito vídeo promocional e outros sem graça...

    Abração!!!

    ResponderExcluir
  12. Papai Urso do Interior14 de setembro de 2011 18:57

    Pois lá em casa o raio caiu duas vezes sim! Só que eu sou o contido, o "homenzinho" que chegou a provar da fruta, ter filhinhos, mas hj em dia é dono de si, meu outro irmão é o oposto e escrachou desde como a bicha louca desvairada, quando ele bebe então chega a dar vexame, paquera primo, tio... fica debochado... por várias vezes, só pra chocar minha mãe, ele já disse que ia se travecar, injetar silicone no peito e rodar bolsinha na esquina, ah eu ria demais quando ele fazia isso. Curiosamente hj em dia não falo com ele, alem de alcoolatra ele é muito barraqueiro e gosta de fofocas... passo longe de gente assim, mesmo sendo meu brother.

    ResponderExcluir
  13. * Papai Urso do Interior, por acaso vc não tem um blog não?? Vc tem sempre histórias muito interessantes...

    Eu sei que existe casos onde o raio cai mais de uma vez no mesmo lugar (conheço um caso que, de quatro irmãos, três eram do nosso clubinho...) mas sei que não é o mais comum.

    De qualquer forma, volto a dizer, eis aí um problema que eu não tenho controle e que não me pertence...

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  14. Papai Urso do Interior16 de setembro de 2011 10:44

    Já iniciei e abortei ideia de criar blog várias vezes, não sei o que acontece, acho que teria de ter mais tempo p/ deixa-lo com minha cara, mas tempo é tudo que não tenho, escrevo muito e teclo rápido, mas gostaria que tivesse um visual legal assim tipo o seu, sabe? Isso demanda tempo... Acho mesmo que muita gente riria e choraria c/ meus mini-dramas cotidianos.

    ResponderExcluir
  15. * Papai Urso do Interior, não que eu queira te obrigar a ter um blog porque acho que tem que ser uma coisa feita com vontade e prazer (ui!)...

    Mas se o problema é o tempo, vai fazendo aos poucos, com calma... Eu também quase não tenho tempo, culpa de querer fazer tudo ao mesmo tempo. Entro na internet a conta-gotas e mudo uma coisinha aqui, outra ali... Quem acompanha esse blog há mais tempo deve lembrar que ele já foi bem mais trash antigamente.

    Mesmo hoje meu blog não é o melhor exemplo de visual, diga-se de passagem, mas se vc quiser algumas dicas de quem já quebrou a cabeça um bocado, eu estou aqui!! ^^ Estou aprendendo, mas pelo menos as mutretas iniciais creio que já domino.

    Se vc decidir por fazer um, me avisa que eu seguirei com muito prazer, tá??

    Grande abraço, meu querido!

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails