segunda-feira, 3 de março de 2014

Eu e a danadinha da morte

Fala, pessoal!!! Não se preocupem! O post anterior foi ao ar por pura lerdeza minha (falei que era o mais provável??? rsrs). Tô bem, tô vivo e ainda dou um caldo... rsrsrsrs

Espero não ter assustado ninguém. Digo isso porque eu sei que as pessoas têm dificuldade de lidar com a questão da morte e qualquer notícia ou conversação que toque neste tema causa arrepios em muitos. Contudo, para mim, este é um assunto sempre presente com o qual eu creio lidar relativamente bem.

E quando eu digo que a morte é um assunto presente na minha vida, não é porque trabalho numa funerária não. Eu acho que já mencionei isso aqui, mas se não o fiz, faço agora: faz alguns anos que eu luto contra uma depressão crônica, que já esteve muito pior do que ela está agora. E uma das coisas mais complicadas de lidar nessa luta diária são os pensamentos de morte.

Eles já foram bem mais frequentes (no nível de, pelo menos, 12 por dia), mas hoje estão não só menos frequentes (uns 8 por semana), como também menos intensos. Não consigo perceber uma motivação única para o surgimento de tais pensamentos surgirem em minha mente que não seja uma baixa tolerância a fracassos, fruto de uma cobrança excessiva que eu faço comigo mesmo. É como se eu não me julgasse digno (perfeito) o suficiente para continuar vivendo ou que seria preferível que eu morresse a não dar conta de fazer tudo em minha vida de forma irretocável. Assim, admitir que algo está errado em minha vida (ou que alguma atitude minha não foi acertada) é para mim um grande sofrimento. Até mesmo admitir que não estou satisfeito com algo me faz com que eu me sinta mal, pois eu me culpo por não conseguir garantir a mim 100% de felicidade e satisfação.

Neste momento do texto, já deve ter leitor achando que é frescura e que eu preciso de um choque de realidade, enxergando que há muitas pessoas com motivações mais fortes que as minhas para desejar a morte. O fato é que saber que além do meu sofrimento há sofrimentos piores nesse mundo não me deixa mais feliz e sim ainda mais angustiado. É como se a dor dos outros amplificasse a minha própria por conseguir me mostrar que seria necessária uma força muito grande para mudar tudo aquilo que causa sofrimento às pessoas. E que, certas coisas não estão sob meu controle. E não há nada pior para um perfeccionista que não ter tudo sob o seu controle.

Existe também uma causa orgânica já detectada nesta depressão que me aflige (e, por consequência, na manifestação de pensamentos de morte). Assim, a medicação é essencial e não basta somente eu "querer mudar" pra resolver esta questão. Aliás, ouvir cobranças assim é algo que me deixa ainda pior porque as cobranças internas são a principal causa do meu sofrimento e não existe ninguém que queira mais sair desse sofrimento do que eu.

A maneira que eu escolhi para lidar com tudo isso é tentar valorizar minhas conquistas, mesmo que pequenas. Preencher meus momentos com pequenos prazeres e trazer para a minha vida boas companhias me ajuda também a tirar o foco dessa cobrança por um sucesso a todo movimento meu, já que aplaca um pouco essa sede de sabor para essa vida insossa de todos nós.


11 comentários:

  1. Tá, o post anterior me deixou bem curioso, quase aflito, mas que bom que tá tudo bem e quanto a morte sempre acho que me dou bem com o assunto, mas já provei pra mim mesmo que só faço isso da melhor maneira possível, mas não necessariamente bem.

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, seria simplesmente errado qualquer afirmar que seus motivos para desejar a morte não são bons o suficiente, afinal existe um motivo bom? Tipo, alguém vai dizer 'tá, esse é um motivo razoável, tome aqui um revolver e uma bala, e tenha uma boa tarde'? Porém, me surpreende sua megalomania sim. Porque afinal de contas pessoas que acreditam que não são dignas de fracassar é porque se consideram boas demais para isso, em outras palavras onipotentes. Pessoas que acreditam nisso não tem problemas de baixa auto-estima, muito pelo contrário, tem auto-estima elevada demais (falo porque é exatamente o meu caso). Eu já pensei em inúmeras vezes me matar e já tentei duas vezes, mas como vc tb porque enxergava meu futuro como puro fracasso, quando eu finalmente abracei meu fracasso, essa vida e essa derrota, o desejo de morrer passou. Abri mão dos meus poderes quase cósmicos e semi-fenomenais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino q qm qr realmente suicidar n é tentativas, consegue de primeira. As tentativas e um pedido de socorro n vontade de morrer msm.
      Luiz Paulo

      Excluir
    2. Bem, Foxx, eu não disse quer há motivos melhores que outros. eu disse que algum leitor poderia pensar isso. E o tal lance da megalomania é auto-estima baixa sim, pq se enxergar onipotente é ter uma auto-imagem alta demais e não necessariamente uma auto-estima alta. Lembra que existe diferença entre auto-estima e auto-imagem?

      Luiz Paulo, tentar nem sempre é "não vontade de morrer". Pode ser apenas falta de coragem de concretizar (o querer está ali, mas outros fatores pesam mais), desconhecimento de um método que lhe faça atingir o objetivo de forma rápida e eficiente, ter tempo e ocasião propícia para fazê-lo, etc...

      Excluir
  3. Querido desculpe, tomei o post anterior como uma brincadeira por isto fiz aquele coment em tom de brincadeira tb ... só agora vi q se tratava de algo bem sério ... enfim ... só posso te desejar q consigas um domínio total deste processo ...

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha... É sério, mas pode rir! Pq não? rs

      Excluir
  4. Amigo, ce sabe que eu não sou a melhor pessoa pra ajudar nessas situações né?

    Mas a gente tenta. Cambando, tropeçando e se ajudando. As vezes fazendo mais mal do que bem. As vezes o contrário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei. E só tenho que te agradecer! :)

      Excluir
  5. Pode ser uma grande bobagem o que irei comentar. Mas arrisco assim mesmo: Já li que a pessoa que quer tirar sua vida, na verdade, tem uma grande vontade de viver. Parece absurdo, claro. Porém, vejamos: se tivéssemos uma alternativa para isso, seria a primeira a ser escolhida. Tem gente que não entende quem tem vontade de se matar. Quem nunca teve essa vontade semi irreprimível é considerado estranho pra mim (há inúmeros motivos pra se pensar nisso). Claro que não é saudável cogitar na possibilidade o tempo todo. Você deve ter procurado ajuda para melhorar. Isso é bom. Dar um passo de cada vez é bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei de ler o que vc escreveu. Me fez pensar...

      E sim: procurei ajuda pra melhorar e ainda estou no processo de melhora...

      Excluir

Related Posts with Thumbnails